...onde o facto pactua com a verdade... sempre!!!

contador
Domingo, 25 de Abril, 2010

 

 

 Com a vitória gorda de hoje, na Figueira da Foz, contra a Naval 1º de Maio, o SCBRAGA continua na luta pelo título cara a cara com slb no fim da jornada 28.

Neste jogo onde praticamente dominou os 90 minutos, os bracarenses mostraram mais uma vez que mesmo sem os autores dos melhores momentos deste SCB, consegue, mesmo assim entusiasmar plateias e hoje foram cerca de 7000 os bracarenses que acompanharam a equipa em mais uma vitória épica, emprestando um ambiente belíssimo no Bento Pessoa que atingiu recorde de assistÊncia nesta época, num jogo  para mais tarde lembrar e contar aos netos... Na primeira parte o SCB marcou dois golos, sendo o primeiro da autoria de Luis Aguiar com mestria ter marcado um livre de forma superior. O segundo foi da autoria de Matheus que aproveitou um desvio para perto da baliza para empurrar o esférico para as malhas da baliza de Peiser. Mais três ou quatro golos ficaram por marcar sobretudo por Renteria.

 A segunda parte foi um espelho dos primeiros 45 minutos com a supremacia do jogo a pertencer aos homens de vermelho e branco vindo a marcar mais dois golos. O 3-0 foi marcado após um canto através dum cabeceamento de Paulão, ele que ainda na época passada representava os homens da casa. O 4º golo e por ventura o mais vistoso da noite perto dos 80 minutos foi marcado por Luis Aguir que bisava assim desta forma no jogo depois e um passe mágico de Hugo Viana que tinha entrado instantes antes para o lugar de Matheus.

  E tal como acontecera na 1ª parte os segundos 45 minutos foram de um autêntico recital dos bracarenses podendo ter "engordado" muito mais o "placard" final. Mais um bom jogo do SCBRAGA que mesmo sem os tais artistas do inicio deste bela campanha, casos de Vandinho ou de Mossoró e mesmo João Pereira ou Hugo Viana que tem sido resguardado ultimamente chegam a valentia e bravura dos restantes guerreiros do minho, começando na defesa, com guarda-redes incluido, um meio campo onde são (novamente) mestres Andrès Madrid e o box-to-box, Luís Aguiar hoje particularmente bastante interventivo, até a P. César ou Alan que alimentam os avançasdos e teimam em manter esta bela equipa a continuar a sonhar e apesar de seis pontos separarem as duas equipas nos dois primeiros lugares, a duas jornadas do final da Liga, a verdade é que na próxima jornada o slb vai ao Dragão enfrentar o FCPorto e uma eventual derrota pode colocar á beira de um ataque de nervos os lisboetas na última jornada, contra o Rio-Ave. Vamos esperar que o SCBRAGA faça os seus trabalhos de casa e esperar pelas escorregadelas dos da capital.

Que a Nossa Senhora que todos os jogos os jogadores carregam ao peito ajude estes bravos guerreiros a dar uma grande alegria a todos os bracarenses, braguistas, minhotos e nortenhos ou portugueses, pois afinal de contas milhões torcem para que isso aconteça. Pois que Deus assim o queira.

Para já o próximo jogo, último da época em casa contra o Paços de Ferreira vamos comparecer em peso para conseguirmos pela primeira vez atingir o final de um campeonato sem derrotas - e apenas um empate - pois hoje com os 4-0 conseguidos contra a Naval já outro recorde foi atingido: conseguimos o 8º triunfo fora de portas. Vamos também esperar para que Eduardo não sofra mais golos para ser o guardião não só bracarense mas minhoto de sempre a sofrer menos golos.

 

publicado por carlitos às 23:54

Segunda-feira, 19 de Abril, 2010

 

No passado Sábado, 17 de Abril de 2009 o SCBraga deu mais uma mostra de força guerreira e de perseverança que têm sido duas das suas marcas nesta época 09.10. Depois de dois belos golos de Alan (o homem do jogo, mais uma vez) o primeiro aos sete minutos com um belissimo golo de se lhe tirar... o chapéu ... ao guardião Berger o segundo depois da meia hora a concluir de cabeça na área um bom cruzamento de Filipe Oliveira. Diga-se que pelo menos mais dois golos ficaram por marcar , por Matheus e Renteria.

Com a chegada da segunda parte esperava-se que os Bracarenses continuassem o bom jogo que sócios e adeptos viram nos primeiros 45 minutos mas a verdade é que os homens de Matosinhos vieram dos balneários com o intuito de criar mais dificuldsades ao SC Braga. Sinal disso foi o golo de Pouga – também devido á saída em falso de Eduardo que se deixou antecipar ao homem do Leixões e que fez gelar os cerca de 14.000 bracarenses presentes no estádio AXA. Os minutos seguintes foram de alguma aflição onde a defesa do SCBraga e a sua grande experiência foram necessários para sanar o perigo leixonense.

Depois de algum tempo com “o coração nas mãos” com os homens de Castro Santos a tentarem alvejar a baliza de Eduardo foi a vez do SCBraga voltar a tomar conta dos acontecimentos, primeiro com um remate de Meyong, recém entrado, com um remate a passar a escassos centimentros da barra de Berger. Até que á passagem do minuto 85, na cobrança de um canto por Luís Aguiar, o SC Braga chegava com justiça ao terceiro golo por intermédio do capitão Moisés que correspondeu com um cabeceamento como mandam as regras. Até final assistiu-se á festa que os bracarenses iam fazendo nas bancadas onde a sua equipa brilhava mais uma vez, conseguira o inédito de atingir no campeonato 20 (!!!) vitórias e a par disso mau grado empate a zero na primeira volta com a Naval 1º de Maio, mantém-se sem derrotas (13 vitórias e esse empate) o que a sacontecer será também um marco histórico na casa do SCBraga. E “só” falta jogar com o Paços de Ferreira. Esperemos que não sejam desmancha prazeres.

O SCBraga continua no segundo lugar ainda a morder os calcanhares ao SLB e enquanto há vida (ou pontos em disputa que nos façam sonhar) há esperança e o sonho não pode esmorecer nem perder-se entre as nossas mãos. Vamos sonhar para ser mais forte o Espirito de Crença. Para já 64 pontos dão uma marca e respeito resposáveis para já no ranking de equipas que participam e participaram na 1ª Divisão ultrapassar o V. Setúbal e para o próximo ano será a vez do Boavista e ir-mos de encontro ao 5º classificado, o Belenenses que se se descuida pela Liga de Honra é ultrapassado pelo SCBraga e ... Guimarães. Para já esse 5º lugar a conquistar nos próximos anos é um objectivo a atingir depois venham daí os senhores de Guimarães. Cada coisa a seu tempo .

Agora no dia da Liberdade, 25 de Abril que a Figueira da Foz seja sinónimo de sonho por concluir, sinal que o SLB tinha perdido pontos com o Olhanense e nós tinhamos conquistado a 8ª vitória fora do AXA, ou seja, mais um recorde desta época para a página de ouro do Sporting Clube de Braga que há-de com toda a certeza ser esta época 09.010.

sinto-me: apetece-me ser campeão
música: butterfly on the wheel - the mission
publicado por carlitos às 23:33

Domingo, 11 de Abril, 2010

 

 

O crepúsculo daquela tarde começara antecipadamente por vias da ameaça de umas nuvens de cinzento-escuro vestidas, que emprestavam ao momento um sentimento de nostalgia.
Ela, sentada numa pedra estrategicamente colocada no início da vereda estendia o seu olhar por todo aquele conjunto de vales e montanhas que se perdiam para lá do horizonte.
Era uma das zonas mais bonitas da Serra do Gerês. Disso nunca tive dúvidas. Isto se for possível distinguir os vários níveis de beleza daquele espaço natural.
Ao longe vislumbra-se o serpentear sinuoso do Cávado por entre as pontes do Rio Caldo onde se encontra com o Homem para uma viagem que só termina no Oceano. Sente-se a terra húmida no olfacto que ganha intensidade cada vez que subimos em direcção á montanha. Terra fértil e de sonhos que permanece no seu estado primitivo e saudável imune ao passar dos tempos.
São quilómetros e quilómetros a perder de vista, atravessados pelo verde da paisagem com a natureza no seu estado mais puro.

Gosta de ver os homens da terra sentados á porta do café, que falam entre si numa amena cavaqueira enquanto crianças brincam numa ciranda.
Observava-a havia já largos minutos e no entanto, dela nem um movimento por mais pequeno que fosse.
Apenas a leve respiração em seu peito era sentido a espaços. Coisa pouca.
De certo pensava ainda no cenário que acabara de presenciar: Um tiro furtivo atravessou o ar quase dando para sentir tão perto passou dela. Porém atingira mortalmente aquele potro de garrano que lhe tinha pedido todas as atenções dos últimos dias. Desde que nascera que diariamente subia até à montanha para observar todos os seus movimentos que depois registava religiosamente no seu bloco de notas.

Queria ser escritora para o público juvenil e estes acontecimentos podiam ajudá-la no futuro. Experimentava naquela serra momentos que na Bracara cidade que a adoptou desde os seis anos não lhe conseguia oferecer por mais que procurasse.
Deixou para trás a sua aldeia natal nas faldas do Gerês a mesma que hoje amiúde visitava para recarregar baterias e afastar tristezas que tantas vezes experimentava (mais do que ela desejava, por certo). Por aqueles dias deixou Braga e todo o seu barulho para trás.

Tinha prometido a si mesma a aos seus amigos que voltaria para Braga com uma boa história para escrever e que serviria de enredo para o seu primeiro livro. Não queria, por isso, defraudar as expectativas…

Aquele tiro, porém, tinha-lhe minado por instantes não só as boas ideias mas também o seu olhar. Naqueles momentos embrulhados em silêncio, certamente que pensou que mais uns centímetros e estaria morta. Nunca sentira a morte tão próxima. Chegou a provar e não gostou por certo do travo amargo que trás aquela senhora. Ainda era cedo para prestar contas pelo que melhor era colocar aquela cabeça a pensar. A mesma que está sempre cheia de boas intenções e de ideias para dar e vender. Como colaborar para tornar este mundo um sítio melhor para se viver, mormente os tiros furtivos que nos podem roubar todos os sonhos.
Ideias inocentes com vontade de vencer e recalcadas de virtudes. Sem ódios, malícias ou cobardias. Ela era um género já em extinção.

Resumia o Mundo á rua do seu bairro e por mais que tentassem demovê-la nunca abdicava de estender a sua mão àquele que mais precisava. Por isso mesmo, um género já em extinção, sim senhor!!!
Já experimentara muitos amargos de boca por querer ser um pouco a Madre Teresa lá do bairro. Risos de gozo e olhares de soslaio, dedos apontados como se fosse ela uma eterna pecadora como se fosse ela a culpada de querer endireitar a sociedade. Parece que vivem melhor se viverem no meio da tristeza e da mentira ou da dor. Se podermos evitar isso, tanto melhor.
Mas é deste género de pessoas que o mundo precisa para deixar de haver tiros furtivos, que consiga com a suas palavras encontrar crianças de esperança e seja ela mesma fada-madrinha daqueles e daquelas que acreditam, tal como ela, que um dia o mundo ainda vai ser um lugar bonito para viver. Se cada um começasse pela rua do bairro onde vive…
Finalmente, olha para o pulso. São horas de partir.É preciso descer á aldeia antes que caia a noite e certamente os primeiros pingos de chuva. Vai encontrar uma decoração granítica que dá lugar de quando em vez ao pinho dos soalhos e ao verde das árvores de fruto, reflexo da sobriedade natural do conjunto arquitectónico que os homens da aldeia souberam construir. As lareiras acesas nos lares tornam o ambiente ainda mais propicio ao recolhimento e a sua vontade há-de ser a de ficar ali, junto dos seus a ouvir histórias enquanto a noite cai, em amena conversa. Há-de ter muito que ouvir e contar. É assim na aldeia e é assim que um dia vai escrever para as suas crianças. Não fosse aquele tiro e o dia teria sido perfeito.
Mesmo que de tiros tenha de falar e escrever, nunca há-de esquecer este conforto, estes ares que dão saúde e fazem sorrir, as paisagens que lhe acalmam a alma e lhe prrometem que melhores dias virão...

A IDADE DA SABEDORIA... por Carlos Alberto Rodrigues

 

publicado por carlitos às 23:47

Sábado, 10 de Abril, 2010

 

Depois de mais uma vitória, agora conseguida em pleno estádio da U. Leiria mas perante cerca de 9.000 bracarenses, que rumaram até à cidade do Lis para apoiar incondicionalmente os Bracarenses rumo ao objectivo maior e inédito na sua história de 89 anos: o ser campeão nacional, numa luta que continua mano a mano com o Benfica que só joga na próxima terça-feira com o rival Sporting. Um resultado negativo neste jogo encurtará a distância entre as duas equipas colocando ao rubro a parte final (4 jornadas) da Liga.

 

Em relação ao jogo, depois de uma entrada fulgurante dos arsenalistas, que podiam, inclusive, ter aberto o marcador nos primeiros minutos de jogo, a verdade é que seria o Leiria a marcar pouco depois dos 10 minutos com um golo de cabeça apontado por Cássio sem hipóteses para Eduardo.

 

Acusando este golo o SCBraga tardou em encontrar-se mas com mestria a meio campo com Madrid em bom plano secundado por Alan e P. César conseguia construir o seu verdadeiro jogo que caracteriza esta equipa e chegar ao golo por intermédio de Meyong, depois de um golpe de cabeça de Moisés que encaminhou a bola até á linha de golo. Este golo foi o tónico necessário para galvanizar a equipa, que três minutos depois colocar-se-ia na posição de vencedor com um golo de Wason Renteria que qual lince perspicaz, aproveitou um mau atraso de J. António para o guarda-redes Djuricic, para já com pouco ângulo marcar o segundo golo. Alegria contagiante nas bancadas vestidas de vermelho-gala e que emprestou ao habitualmente "despido" Magalhães Pessoa um ambiente fantástico e eufórico, com os adeptos a vibrarem com esta mudança no marcador. Estava conseguido o objectivo: reviravolta no marcador e o de colocar-se em posição de vencedor, tal como já acontecera na jornada anterior no "derby" minhoto com os de Guimarães.

 

Na segunda parte assistimos ao controlo total de jogo dos bracarenses que com mestria fizeram o "seu" jogo povoando o seu meio campo para desta forma parar o ímpeto dos Leirienses que apenas já em período de descontos podiam ter marcado numa desatenção de Moisés.

 

Há ainda a registar uma possível punição ao guarda-redes leiriense por pretensa agressão a Matheus quando se preparava para pontapear a bola merecendo o vermelho e respectiva grande penalidade. Para rever.

 

Com a chegada do apito final foi a festa entre os milhares de bracarenses que deram por bem empregue a viagem até ao centro do país e a oferta da SAD Bracarense para este jogo, de bilhete e viagem para sócios. Estão eles e a equipa de parabéns e cada vez mais próximo do objectivo mínimo que é atingir o segundo lugar e com ele atingir pela primeira vez na sua história a pré eliminatória da Liga dos Campeões e em caso de vitória ombrear com os verdadeiros "tubarões" do futebol europeu. Para já com esta vitória regista-se o recorde de mesmas num campeonato (19) anteriormente na posse da equipa de J. Ferreira. Ao mesmo tempo batia-se outro recorde: o de pontos conquistados: 61. E de certeza que não vai ficar por aqui.

 

Para seguir com atenção os próximos espectáculos dos Bracarenses.

 

publicado por carlitos às 23:24

Outra Cidade de Braga
mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


ELEVADOR DO BOM JESUS DO MONTE
pesquisar
 
últ. comentários
ola Sílvia.Como amigo que fui do Mário, não podia ...
Olá Carlos!Peço imensa desculpa por não ter respon...
Força Sporting!!! Vamos ganhar Zurich!!!!
Se foi apanhado nas malhas do doping só terá de pa...
Creio que virá a ser uma grande jogador!! já tinha...
É bom ver que grandes marcas como a HP têm em cont...
Será verdade? Este Alan gosta muito de picar o Jav...
Sinceramente acho que este senhor ficou tempo dema...
Poderíamos ter uma equipa já apurada para a próxim...
Vale é que muitos pais avós (agora promovidos a am...
LARGO do PAÇO BRAGA
BRAGA
JARDIM SANTA BÁRBARA - BRAGA
BANCO DE PORTUGAL - BRAGA
SC BRAGA
Outra Cidade de Braga
VICE-CAMPEÃO NACIONAL
ESTÁDIO AXA
subscrever feeds